Google+ Badge

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

O Outro Lado da Moeda

“Teve Salomão uma vinha em Baal-Hamom; entregou-a a uns guardas; cada um lhe trazia pelo seu fruto mil peças de prata... as mil peças de prata são para ti, ó Salomão, e duzentas para os que guardam seu fruto.” Ct 8;11 e 12

Temos dois tipos de barganha aqui; o arrendamento da vinha por mil “reais”; e o salário dos que nela trabalhavam; 200.
Num caso o dinheiro comprava frutos; noutro, trabalho.

Pois bem, o dinheiro, esse fugitivo tão perseguido, muitas vezes não é devidamente entendido. Em si mesmo seria inerte; mas, nas funções que lhe atribuímos faz três coisas: Avalia, transforma e conserva, bens e serviços.

Mas, não compra coisas? Sim. Há pouco passou a “Kombi dos ovos vermelhos” oferecendo uma bandeja com 30 unidades por dez reais. Os que compraram transformaram dez reais em trinta ovos.

Suponhamos que alguém me pergunte quanto quero por dia para trabalhar e, eu diga: Cem reais. Estarei, com isso, avaliando um dia de labor, às custas do dinheiro. Sigamos; eu trabalho um dia e recebo o valor acordado; aqueles cem reais são mais que um reles papel; equivalem a um dia de vida, no qual, trabalhei cujo valor o tenho comigo, conservado. Assim, dinheiro não é uma coisa inócua como querem fazer parecer os corruptos e seus defensores.

Os milhões roubados trazem pedaços de vidas neles; um grande corrupto é assassino de muitos, não, um transgressor de menor monta.

A Bíblia nada tem contra o dinheiro, apenas, desaconselha o amor a ele, o apego exagerado, avareza; “Os que querem ser ricos caem em tentação, laço, e muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e transpassaram a si mesmos com muitas dores.” I Tim 6;9 e 10

Contudo, há muitos mercenários fazendo contorcionismos teológicos tencionando fazer parecer que Deus é um comerciante querendo “lucrar” às nossas custas. Ele disse que não. “Se Eu tivesse fome, não te diria, pois, meu é o mundo e toda sua plenitude.” Sal 50;12

Porém, há dois componentes que O Santo aprecia quando somos fiéis; um, moral que honra ao Senhor reconhecendo-o como fonte dos meus ganhos; “Honra ao Senhor com os teus bens, com a primeira parte de todos os teus ganhos; e se encherão os teus celeiros; transbordarão de vinho teus lagares.” Prov 3; 9 e 10 A bênção aqui é em contrapartida à honra, não, ao dinheiro em si.

Outro, emocional, que nos faz partícipes da Obra de Deus, à medida que nos alegramos em poder contribuir com ela, inda que seja com recursos módicos; “Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria.” II Cor 9;7

Assim, do ponto-de-vista prático nossa fidelidade é necessária para manutenção e expansão da Obra; o “efeito colateral” espiritual honra e alegra ao Senhor que, nos abençoa, tanto mais, quanto, mais desprendidos formos. Nunca vi um avarento abençoado por Deus.

As relações comerciais começaram pelo escambo; a troca de bens; depois foram cunhadas moedas em ouro e prata, cujos valores eram proporcionais à quantidade de metal de cada moeda; por fim, o método fiduciário, como temos atualmente, onde, o governo imprime determinado valor numa cédula e garante que ela tenha o valor que traz impresso. Porém, o sistema vigente está com dias contados, dado o advento do chamado dinheiro virtual.

Deixarão de existir cédulas; serão apenas números num sistema global que teremos que confiar, mesmo desconfiando. Invés de transformar bens e serviços em algo físico, o dinheiro verterá nossas coisas em números, cujo controle será alheio.

Um cadastramento global, onde o Anticristo marcará todos; os que se recusarem serão alijados do sistema. “faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na mão direita, ou, nas suas testas, para que ninguém possa comprar ou vender, senão, aquele que tiver o sinal, o nome da besta, ou, o número do seu nome.” Apoc 13;16 e 17

Quem se apega demais ao dinheiro pegará na mão do capeta. Dinheiro é uma necessidade; um direito de quem, trabalhando faz por merecê-lo. Mas, não redime vidas. “Aqueles que confiam na sua fazenda, se gloriam na multidão das suas riquezas, nenhum deles de modo algum pode remir seu irmão...” Sal 49;6 e 7

Aqueles que, invés de amontoar metais finitos ajuntam tesouros no Céu, quando bens terrenos lhes forem negados, as riquezas celestes mostrarão para quê servem...

“Um negócio que não produz nada além de dinheiro é um negócio pobre.” Henry Ford

domingo, 9 de dezembro de 2018

Inveja; melhor nem ver

"Teu coração não inveje os pecadores; antes, permanece no temor do Senhor todo dia. certamente acabará bem; não será malograda tua esperança.” Prov 23;17 e 18

A inveja, pela sua natureza tem um consórcio com o sucesso. Os fracassados nunca serão seu alvo. Como se diz vulgarmente, não se atira pedra em árvore sem frutos. Assim, sempre será o desfrute de posses, poder, talento, afeição, o motor da inveja de terceiros.

Entretanto, a exortação supra desaconselha que invejemos pecadores. O que eles têm que não temos? Na verdade desfrutam uma “liberdade” que cristãos não possuem. “Porque, quando éreis servos do pecado estáveis livres da justiça.” Rom 6;20

Ou seja: Não têm compromisso de atuar como filhos da Luz, servos do Senhor. Sua morte espiritual é seu “sucesso”, sua “segurança”. Lembrei uma cena do filme “O Auto da Compadecida” onde, no além, o poltrão João Grilo afrontou ao temido Severino de Aracaju. Ele ameaçou revide; o espertalhão respondeu: “Vai fazê o quê? Já tamo morto mesmo.” (Sic)

Desse modo, a ousadia do ímpio que lhe permite ser “livre” da justiça deriva do fato de estar morto, nada tem a perder. Seu único “risco” é de vida; de ouvir Cristo, arrepender-se por crer, e passar da morte para a vida, senão, tanto faz. “Curta a vida que a vida é curta”; a dele é.

É muito enganoso esse aspecto que pode ensejar inveja a desavisados. A porção dos ímpios reside apenas na terra; então, podem lançar mão de injustiças para serem prósperos aqui; e, muitos o são. Aí, um que se purifica pelo temor do Senhor, arbitrado por uma consciência viva segundo A Palavra leva uma existência modesta, quando não, de privações; se, olhar de modo superficial irá se confundir.

Essa perspectiva foi cantada em prosa e verso; “Pois, eu tinha inveja dos néscios, quando via a prosperidade dos ímpios. Porque não há apertos na sua morte, mas, firme está sua força. Não se acham em trabalhos, nem são afligidos como outros homens. Por isso a soberba os cerca como um colar; vestem-se de violência como adorno. Os olhos deles estão inchados de gordura; têm mais do que o coração podia desejar. São corrompidos e tratam maliciosamente de opressão; falam arrogantemente. Põem suas bocas contra os céus; suas línguas andam pela terra.” Sal 73;3 a 9

Eventualmente, um deles migra do palácio à cadeia, ainda nessa vida; mas, a maioria vai-se impune até o Juízo de Deus. Então, olharmos para isso da perspectiva puramente material poderia ensejar inveja; seria uma “conversão” avessa, passaríamos da vida para a morte.

O mesmo salmista, que usou sua “inveja” apenas como exercício retórico, depois, refez o rumo da prosa na conclusão; “Se eu dissesse: Falarei assim ofenderia a geração de teus filhos. Quando pensava em entender isto foi para mim muito doloroso; até que entrei no santuário de Deus; então entendi o fim deles. Certamente tu os puseste em lugares escorregadios; tu os lanças em destruição.” Vs 15 a 18

E, há muitos pregadores que desafiam incautos nesses termos: “Fulano tem isso, cicrano aquilo, beltrano conquistou aquilo outro; você nessa derrota, nessa miséria”. Em nenhum momento de suas prédicas aparecem as palavras-chave, pecado, arrependimento, cruz, salvação. Embora se digam ministros do Evangelho, não passam de pregoeiros da inveja dos ímpios.

Falando ao jovem pastor Timóteo, Paulo ensinou: “Os que querem ser ricos caem em tentação e laço; em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; nessa cobiça alguns se desviaram da fé; transpassaram a si mesmos com muitas dores. Mas, tu, ó homem de Deus, foge destas coisas; segue a justiça, piedade, fé, amor, paciência e mansidão.” I Tim 6;9 a 11

Aludindo à sua própria experiência disse mais: “Aprendi contentar-me com o que tenho. Sei estar abatido e também ter abundância; em toda a maneira, em todas as coisas estou instruído, tanto, ter fartura, quanto, ter fome; tanto ter abundância, quanto, padecer necessidade. Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.” Fp 4;11 a 13

Por fim, mostrou para onde aponta a escala de valores dos abastados espirituais; “Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens.” I Cor 15;19

O texto inicial coloca em contraponto à inveja, esperança. Só abdicando dela, da confiança no Eterno e no que prometeu poderíamos insanamente invejar quem tem muito menos que nós. Os cristãos verazes, como disse Spurgeon, “não trocam de lugar com reis em seus tronos, se, esses não conhecem a Cristo.”

A inveja é pequena demais para combinar com as grandezas reservadas aos filhos de Deus.

sábado, 8 de dezembro de 2018

Quem precisa de guia?

“Porque este Deus É nosso Deus para sempre; Ele será nosso guia até à morte.” Sal 48;14

Onde precisamos de guia para nos movermos? Óbvio que, quando estamos em lugar desconhecido, em terra estranha. Nos meandros do nosso existenciário conhecemos bem os caminhos, não precisamos ajuda para encontrar esse, ou, aquele lugar.

O imaginário popular tem suas “certezas” no que tange à vida terrena, e, teorias, crenças sobre o porvir que são muito difusas, quando não, contraditórias.

A Palavra de Deus não lida com teorias, como se, Deus fosse um filósofo especulando o desconhecido. Ela nos foi dada como revelação plenamente confiável; veta incursões espontâneas onde, ela mesma silencia. “As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, porém, as reveladas pertencem a nós e nossos filhos para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei.” Deut 29;29

Embora nos suponhamos conhecedores das vicissitudes da vida por aqui, e, faltos de luz maior no além, a Bíblia faz o contrário. Apresenta-nos como ineptos para andar sozinhos, carentes de um guia até a morte, não, depois dela. O império das sensações é muito enganoso, e, enquanto no corpo, por elas regido, tendemos a ser reféns do engano. “Há um caminho que ao homem parece direito, mas, o fim dele são caminhos da morte.” Prov 14;12

Quando O Salvador apresentou-se como “A Luz do Mundo” não usou hipérbole, um exagero para acentuar a ideia; antes, o mundo sem Ele (A Palavra) é coberto de trevas mesmo. “Lâmpada para meus pés é tua palavra; luz para meu caminho.” Sal 119;105

A rejeição à Luz que tem pautado o viver de muitos não deriva de algum lapso na Divina Revelação; antes, tem seu óbice nos paladares estragados pelo pecado que acostumaram derivar sensações boas de obras más.

Viciados nelas preferem perder a vida, a deixá-las e andar segundo O Bendito Guia. “... a luz veio ao mundo; os homens amaram mais as trevas que a luz porque suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz; não vem para a luz, para que suas obras não sejam reprovadas. Mas, quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que suas obras sejam manifestas, porque, são feitas em Deus.” Jo 3;19 a 21

Muito se especula sobre o “anjo da guarda” de cada um, contudo, uma coisa que passa despercebida é que a palavra anjo significa mensageiro, não, guarda-costas. Livramentos que tentam fazer chegar a nós são, sobretudo, mensagens, ensinos sobre Deus.

Há muitos anjos de carne e osso que Deus usa para nos guiar pelo caminho bom, entre os escuros dessa vida. “Porque os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento; da sua boca devem os homens buscar a lei porque ele é mensageiro (anjo) do Senhor dos Exércitos.” Mal 2;7

Agora, pois, dada a parcialidade do nosso conhecimento das coisas espirituais precisamos de guias; depois, seremos aperfeiçoados; “Porque agora vemos por espelho em enigma, mas, então veremos face a face; agora conheço em parte, mas, então conhecerei como também sou conhecido.” I Cor 13;12

A luz espiritual sendo o que é, caminho para Deus, necessariamente aponta para a justiça; não há intelectos privilegiados que conheçam Deus; há almas privilegiadas que O obedecem e recebem mais luz mediante revelação; “Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos. Escudo é para os que caminham na sinceridade, para que guardem as veredas do juízo. Ele preservará o caminho dos seus santos.” Prov 2;7 e 8

A revelação é absorvida paulatinamente, à medida que pautarmos nosso viver pela luz recebida; “A vereda dos justos é como a luz da aurora, que, vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito.” Prov 4;18

Muitos espraiam suas filosofias de botecos; “aparências enganam”, mas, confrontados com a Revelação Segura preferem seguir à sombra do engano, a encetarem o enfrentamento de si mesmos requerido pelo Salvador; a cruz.

Anjos não fazem escolhas por nós; antes, Deus os envia a serviço dos que escolhem obedecer às diretrizes que Ele mesmo legou; “Não são porventura todos eles espíritos ministradores, enviados para servir a favor daqueles que hão de herdar a salvação?” Heb 1;14

Jamais cantam o refrão; “Diga aonde você vai que eu vou varrendo...” mostram ciscos que precisamos ver e nos dão a vassoura. Não confundamos guias com motoristas particulares; somos pecadores carentes de graça, não, senhores de nada. Não estamos com essa bola toda.

Enfim, por um lado o Amor de Deus disposto a nos guiar até à morte, no sentido da extensão do Cuidado; pelo outro, más inclinações e tentações do traíra nos querendo também guiar até à morte, no sentido de objetivo do caminho a tomar. Qual vai ser?

domingo, 2 de dezembro de 2018

O Que é nascido de Deus não peca

“Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca; mas, o que de Deus é gerado conserva a si mesmo; o maligno não lhe toca.” I Jo 5; 18

Confesso que tive dificuldades com esse texto por ocasião de minha conversão.

Dizia-se que eu tinha nascido de novo; isso, da água e do Espírito, de Deus; e o texto supra afirma que os nascidos de Deus não pecam. Como eu não conseguia isso, nem, ainda consigo, cogitava não ter me convertido; pensava que os outros crentes sim, não erravam jamais.

Quando me atrevia a perguntar aos obreiros sobre isso, não recebia respostas satisfatórias. Algumas traduções buscam facilitar as coisas, dizendo: “O que é nascido de Deus não vive na prática do pecado;” ou seja: Não tem o pecado como modo de viver.

Depois de alguns anos, porém, a ficha caiu. Não precisamos facilitar nada; o texto é assim mesmo; “O que é nascido de Deus, não peca.” Opa, olha a santarrice, a presunção! É ouvi o seu protesto. Na verdade, todos sabem, ou, deveriam saber sobre a doutrina da dupla natureza. Somos carne, (natural) e espírito; (sobrenatural) e, quando pecamos, nunca é nosso espírito que o faz, mas, nossa natureza, carne. “O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.” Jo 3; 6

Os convertidos a Palavra ensina que, “... não nasceram do sangue, nem da carne, nem do homem, mas, de Deus.” Jo 1;13 Simples assim, o que é nascido de Deus é nosso homem interior, nosso espírito que tem desejos segundo Deus. “Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta.” Tg 1; 13

O Eterno não vê atrativo algum no mal, tampouco, seu Espírito, ainda que, atuando em nós. Sempre que falhamos, e isso acontece bastante, o fazemos por agirmos naturalmente, na carne. “Porque a inclinação da carne é morte; mas, a inclinação do Espírito é vida e paz.” Rom 8; 6

Mas, não devemos ver isso como uma doutrina maniqueísta; dado que o Espírito é bom, a carne má, portanto, mesmo pecando, me mantenho puro, uma vez que meu espírito não peca. Somos espíritos que possuem almas e corpos, e a exortação é: “Que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra;” I Tes 4; 4

Nosso corpo é meio de expressão da alma; se, ela está submissa ao Espírito, foge do pecado; senão, busca-o.

O Eclesiastes diz que o pó volta ao pó, o espírito a Deus; isso é uma necessidade; mas não menciona a alma, pois, depende das escolhas que fizermos; uma possibilidade.

Por isso é perigoso nos amoldarmos ao pecado, “Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; se, alguém pecar temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo.” I Jo 2 ;1

A ideia é que não pequemos, mas, quando isso acontecer busquemos o perdão de Cristo mediante confissão. Algo específico, não genérico. Muitos oram dizendo: “Pai, perdoa meus pecados porque eu sou pecador”; quais pecados cara-pálida? Isso não é confissão.

Salomão orou pedindo que Deus ouvisse “Toda a oração, toda a súplica, que, qualquer homem de todo o teu povo Israel fizer, ‘conhecendo cada um a chaga do seu coração’, e estendendo as suas mãos para esta casa.” I Re 8; 38 Isto é: Reconhecendo onde falhou; tocando o dedo na ferida e não fazendo confissões superficiais.

Isaías, aliás, fez assim: “Então disse eu: Ai de mim! Pois, estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos.” Is 6; 5

Ele sabia que incorria em incontinências verbais na corte de Uzias, que, era um homem impuro em seu falar. Confessou isso; foi purificado, e comissionado. “O que encobre suas transgressões nunca prosperará, mas, o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.” Pv 28; 13

Saibamos duas coisas, pois; nosso espírito é nascido de Deus e não peca, jamais; nossa carne nasceu da carne; é inimiga de Deus. E a promessa do Senhor é específica: “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que, não andam segundo a carne, mas, segundo o Espírito.” Rom 8; 1


Conversão é mais que a rejeição de conselho dos ímpios, do caminho dos pecadores, ou, da roda dos escarnecedores, como diz no salmo 1; é alimentar-se espiritualmente, “ter seu prazer na Lei do Senhor e nela meditar dia e noite.” 

O que é nascido de Deus, não apenas não peca, mas, se alimenta de Deus e Sua Palavra.

sábado, 1 de dezembro de 2018

Os Filhos de Deus

“Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus.” Rom 8;14

A filiação Divina não é tão elementar como devaneiam alguns. “Também sou filho de Deus; Deus é Pai não é padrasto;” dizem. Há distinção clara nas Escrituras entre filhos e criaturas.

Quando O Criador “Soprou em suas narinas o fôlego de vida...” Gên 2;7 o homem, por ter sido criado à “Imagem e Semelhança”, portanto, dotado de vida espiritual foi gerado filho de Deus.

A diferença entre filho e criatura ficou patente por ocasião da queda; “... da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque ‘no dia’ que dela comeres, certamente morrerás.” Gên 2;17

Quando da desobediência, dois fatos novos assomaram; a consciência do mal, “conheceram que estavam nus” e, o medo de Deus. Esconderam-se. Se, a sentença de morte por desobediência era imediata, “no dia”, lícito concluir, necessário, até, que, morreu o filho de Deus pela desobediência e seguiu existindo a criatura. A vida espiritual deixou de existir no recém inaugurado império da injustiça; a alma desnuda e só sentiu medo do Criador, que É Justo.

Por isso foi necessário o Advento do Filho Unigênito de Deus. Por ter pagado a dívida de sangue Ele regenera aos que se lhe submetem; “A todos quantos o receberam, deu-lhes poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no Seu Nome; os quais não nasceram do sangue, da carne, nem do homem, mas, de Deus.” Jo 1;12 e 13

Assim, se, os filhos de Deus são guiados pelo Espírito, Esse, os guia em obediência a Cristo e Seus mandamentos.

Embora isso fira o orgulho das criaturas que se presumem filhos, O Salvador não disse ter vindo para falar a filhos distantes; antes, desafiar mortos a reviver. “Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve minha palavra e crê naquele que me enviou, tem vida eterna; não entrará em condenação, mas, passou da morte para a vida... vem a hora, e agora é em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; os que ouvirem viverão.” Jo 5;24 e 25

Noutra parte patenteou a impossibilidade, tanto de compreensão, quanto, ingresso no Reino sem nascer de novo; “... Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o Reino de Deus... aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar...” Jo 3;3 e 5

Assim como o homem antes da queda tinha prazer na comunhão com Deus, igualmente os filhos regenerados. Não que não falhem mais; porém, quando falham apressam-se em assumir buscar perdão; pois, suas consciências no Espírito sabem que é impossível se esconder de Deus; se fosse, não desejariam depois de Conhecê-lo. Em que direção O Espírito Santo os guiaria, senão, de volta à casa paterna, como o Filho Pródigo?

Isaías denunciou um tempo de apostasia; anteviu outro de misericórdia, onde, enfim, o povo escutaria ao Santo; “Bem vos dará o Senhor pão de angústia e água de aperto, mas, teus mestres nunca mais fugirão de ti, como voando com asas; antes teus olhos verão todos os teus mestres. Os teus ouvidos ouvirão a palavra do que está por detrás de ti, dizendo: Este é o caminho, andai nele, sem vos desviardes para a direita nem, para a esquerda.” Is 30;20 e 21

Interessante que essa voz guia estaria “por detrás”, como um lavrador conduzindo bois a arar, por exemplo; isso é uma nuance de criaturas forçadas em determinada direção; os filhos podem mais; “Porque a ardente expectação da criatura espera a manifestação dos filhos de Deus.” Rom 8;19 Pois, “... a criatura será libertada da servidão da corrupção, para liberdade da glória dos filhos de Deus.” V 21

Essa liberdade pressupõe arbítrio, escolha. Ser guiados pelo Espírito é ser capacitado a entender e seguir ao Senhor.

O Salvador figurou filhos como ovelhas, das quais É O Bom Pastor; para tais, a Palavra já não está atrás como tangendo à força; “Quando tira para fora suas ovelhas, vai adiante delas; as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz... As minhas ovelhas ouvem minha voz; Eu conheço-as e elas me seguem.” Jo 10;4 e 27

Ser filho de Deus é mais que ouvir; é estar No Espírito; “Vós, porém, não estais na carne, mas, no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse não é Dele.” Rom 8;9

Os filhos deixam patente sua filiação com atos, não palavras; “... O Senhor conhece os que são Seus; qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniquidade.” II Tim 2;19

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

A Batalha da Vontade

“Saúda-vos Epafras, que é dos vossos, servo de Cristo, combatendo sempre por vós em orações, para que vos conserveis firmes, perfeitos; consumados em toda Vontade de Deus.”Col 4;12

Anexa à saudação de Epafras aos conterrâneos Paulo testifica do mesmo. Combatente em oração em favor do seu povo. “... para que vos conserveis firmes, perfeitos e consumados em toda Vontade de Deus.”

Posar de guerreiro do Senhor como muitos fazem pode ter seu charme, contudo, a maioria do que vejo, ou, ouço apregoando a dita “batalha espiritual” erra grotescamente.

Arvoram-se contra privações circunstanciais, desemprego, enfermidades, frustrações afetivas, etc. atribuem ao inimigo; inchados de pretenso poder “ordenam, determinam” a remoção do óbice que julgam ser direito seu. Sequer chegaram ao campo de batalha esses supostos “artilheiros” do Senhor.

Primeira coisa que necessito pra lutar alinhado à Vontade Divina,é cambiar meu modo de pensar pelo de Deus. “Porque assim como os Céus são mais altos que a Terra, são os meus caminhos mais altos do que os vossos; e os meus pensamentos mais altos que os vossos.” Is 55;9

A sutileza do inimigo atua, no sentido de equiparar, quando não, sobrepor, nosso pensar, nossos desejos ao Divino propósito. Nesse combate invés de um “exorcismo” imaginário onde muitos “amarram” espíritos deveríamos amarrar a nossa própria inércia; fazer o bom depósito; “Bem-aventurado o homem que... tem seu prazer na lei do Senhor; na Sua Lei medita de dia e de noite.” Salm 1; 1 e 2

A proposta inicial do traidor foi de autonomia moral, intelectual; “Vós sabereis o bem e o mal”. Qualquer pendor natural, por inocente que pareça, ou, bem intencionado, até, por derivar dos meus próprios conceitos de bem e mal, atua segundo o princípio de Satanás, não, Vontade Divina.

O “Negue a si mesmo” preceituado abarca todo o “si”, principalmente o modo de pensar. Nessa área, pois, nosso combate é necessário “exorcizando” sutilezas malignas que pinta más inclinações de bons motivos; “Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas, poderosas em Deus para destruição das fortalezas; destruindo conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus; levando cativo todo entendimento à obediência de Cristo;” II Cor 10;4 e 5

A “cabeça-de-ponte” do inimigo na batalha são nossas vontades desorientadas, doentias. Nesse caso, invés de expulsar ao demônio devemos crucificar a carne.

Quando nosso entendimento estiver “cativo à obediência de Cristo”; quando reconhecermos sobre nós a Autoridade Divina, e, só então, teremos da mesma Fonte, autoridade para correção de terceiros. “Estando prontos para vingar toda desobediência, quando for cumprida vossa obediência.” II Cor 10;6

Antes de achar válida, salutar a Vontade de Deus para terceiros devo achá-la, igualmente, para mim. Nossos corações foram endurecidos pelo longo consórcio com o pecado, onde, estávamos “livres” da justiça; isto é: Descompromissados com ela, por alienados do Eterno. “Porque, quando éreis servos do pecado estáveis livres da justiça.” Rom 6;20

Nos que chamou a Si O Senhor fez o necessário “transplante” para adoção de novo modo de vida; “Dar-vos-ei um coração novo, porei dentro de vós um espírito novo; tirarei da vossa carne o coração de pedra e vos darei um coração de carne. Porei dentro de vós Meu Espírito, farei que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis.” Ez 36;26 e 27

Assim como a Espada do Espírito é a Palavra de Deus que derrota o inimigo, a espada deste é a difusão de “conselhos que se levantam contra o conhecimento de Deus”, a mentira.

Se, o que vence o mundo é nossa fé, como ensinou João, essa, a fé, não atua num vácuo; antes, firma-se na integridade e imutabilidade do que O Santo Revelou.

Tendemos a nos deslumbrar com sofisticações, artifícios, mediante os quais, o inimigo nos tenta; mas, a fé saudável faz parceria com a simplicidade; “Temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo.” II Cor 11;3

Enfim, se, vale a pena, como fazia Epafras, orar para que a Vontade de Deus seja consumada em nós, lembremos: Foi suportando a tudo e levando Sua Cruz até o fim que nosso Senhor e Salvador pôde dizer: “Está consumado”.

Orarmos, “seja feita a Tua Vontade...” é fácil; aceitá-la quando ela nos contraria e mesmo assim perseverar confiante é doloroso, às vezes; mas, é um traço indelével de maturidade espiritual.

Não preciso aceitar, concordar com todas as coisas; mas, posso descansar na Sabedoria e provisão Divina; nela, “... todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo Seu Propósito.” Rom 8;28

domingo, 25 de novembro de 2018

A Cruz e o Bezerro

“Enchi do Espírito de Deus, de sabedoria, entendimento, e ciência, em todo lavor; para elaborar projetos, trabalhar em ouro, prata, cobre; lapidar pedras para engastar, entalhes de madeira, para trabalhar em todo lavor. E tenho posto com ele Aoliabe...” Êx 31;3 a 6

Deus escolhera e capacitara artífices para o Tabernáculo, e os estava indicando pelo nome a Moisés. Bezalel e Aoliabe. Se, há coisas que podem verter de iniciativa nossa na Obra de Deus, há outras basilares que derivam da Suas instruções às quais nos convém apenas, obedecer.

Nos domínios humanos há democracia, ditadura, aristocracia, monarquia, presidencialismo, parlamentarismo, clãs, castas, etc. No que tange à Obra de Deus, só funciona conforme o método que O Eterno deseja. Poderíamos chamar de Teocracia Representativa. Deus governa mediante representantes que escolhe. Então, o escolhido para representá-lO era Moisés.

Tanto é assim que, nos dias que os hebreus rejeitaram Samuel, O Eterno disse: “... a Mim rejeitaram.”

Naqueles dias também; uma vez que Moisés “demorava” (ah, o cinismo humano! Quatrocentos anos no cativeiro; e quarenta dias de espera após os milagres vistos foi insuportável) resolveram patentear a “resistência” ao Governo partindo para uma solução alternativa. O Bezerro de Ouro. Se, o Eterno escolhera artífices também eles exibiram a arte de esculpir; seu memorial à estultice, à apostasia.

A falta de noção humana após a queda é abissal. Um povo que, havia quatro séculos que clamava por libertação, apenas algumas semanas após liberto sentia-se no direito, de desautorizar ao Libertador, contestar Suas decisões. Aquele que tirara milhares de vidas ilesas do cativeiro, agora, não pudera guardar a Moisés apenas, no monte; perdera-se.

A maldade é uma matreira que espia por frestas a espera de um nicho qualquer onde possa paramentar-se como lógica, para, assim vestida seduzir seu séquito de incautos.

A lógica forja argumentos, mas, O Espírito costuma desnudar motivos. Esses mensuram o mérito, que os artifícios buscam camuflar. É a Lógica de Deus.

A apostasia custou alguns milhares de vidas; causou a revolta de Moisés que quebrou as Tábuas da Lei, e a Ira de Deus.

Em nossos dias já não existem escolhidos do Calibre de Moisés, Josué, Samuel, etc. A Revelação Divina usou profetas outrora; mas, na plenitude do tempo teve seu Upgrade; Um Escolhido de estirpe Superior; “Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, falou-nos nestes últimos dias pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo.” Heb ;1 e 2

Jesus Cristo é O Escolhido, Ao Qual, resistir equivale a afrontar Deus. “Porquanto (Deus) tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.” Atos 17;31

Por enquanto O Governo trabalha tentando persuadir pelo Seu argumento favorito; o amor. Malgrado, seja Ele O Todo Poderoso, não é o poder a prioridade do Reino, ainda. Permite que usemos nosso arbítrio, enquanto tenta nos convencer da conveniência de escolhermos a vida.

Infelizmente, na imensa maioria dos casos, o imediatismo hedonista, simulacro do medo da morte patente, no dito usual; “curta a vida porque a vida é curta”; tem patrocinado a escolha pelo pecado, o “bezerro de ouro” da vez ao redor do qual se pode bailar e perder-se em orgias, sem a necessária sobriedade requerida por Deus.

Ora, quem já venceu à morte não mais precisa temê-la; e quem a Ele, O Vencedor, pertence, igualmente; “Visto como os filhos participam da carne e do sangue, também Ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo; e livrasse todos que, com medo da morte, estavam por toda vida sujeitos à servidão.” Heb 2;14 e 15

Embora ninguém escolha à morte deliberadamente, salvos os suicidas, optando pela autonomia em relação aos ensinos Dele, pecamos; a permanência no pecado traz seu efeito colateral necessário; morte espiritual, não, do corpo apenas; “Porque o salário do pecado é a morte, mas, o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor.” Rom 6;23

Cristo requer a cruz; nome poético da necessária mortificação dos desejos insanos; se, mortifico-me no tocante aos pecados nego a mim mesmo; essa é a ideia; “E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue a si mesmo; tome cada dia sua cruz, e siga-me. Porque, qualquer que quiser salvar sua vida, perdê-la-á; mas, qualquer que, por amor de mim, perder sua vida, a salvará.” Luc 9;23 e 24

Se, naqueles Dias pelo Seu Espírito Deus deu talento para esculpir imagens desejadas, hoje, pelo mesmo Espírito regenera-nos à Sua Imagem, se, ouvirmos Sua Voz.