Google+ Badge

domingo, 25 de junho de 2017

Na hora da angústia

“Por que estás ao longe, Senhor? Por que te escondes nos tempos de angústia?” Sal 10;1

Costumamos dizer que certos “amigos” o são apenas nas horas que tudo nos vai bem. Ou como os do Pródigo, quando estamos pagando a festa; porém, se, como aquele, falimos, junto com nosso dinheiro os amigos evaporam. Será que Deus é assim? Um aproveitador que está por perto quando estamos bem, mas, se a angústia chega Ele desaparece?

Na verdade, na Parábola do Semeador, é o crente superficial que se afasta de Deus, temendo a angústia, não, o contrario. “Não tem raiz em si mesmo, antes, é de pouca duração; chegada a angústia, perseguição por causa da palavra, logo, se ofende;” Mat 13;21

Além disso, como seria O Eterno, interesseiro, aproveitador no que tange a nós? O que falta a Ele que possa receber de nossas mãos? “Da tua casa não tirarei bezerro nem bodes dos teus currais. Porque meu é todo animal da selva, o gado sobre milhares de montanhas. Conheço todas as aves dos montes; minhas são todas as feras do campo. Se eu tivesse fome, não te diria, pois, meu é o mundo e toda sua plenitude.” Sal 50;9 a 12 Na verdade, invés de ausentar-se por ocasião de nossas angústias, chama-nos, para junto de Si:” invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás.” Sal 50;15

Há angústias que são consequências de nossas rebeliões, portanto, devemos buscar pelas causas em nós. “Por isso, quando estendeis vossas mãos, escondo de vós os meus olhos; ainda que multipliqueis vossas orações, não as ouvirei, porque vossas mãos estão cheias de sangue.” Is 1;15

Adiante lembra que a causa de Seu afastamento está conosco mesmo. “vossas iniquidades fazem separação entre vós e vosso Deus; vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça.” Is 59;2 Mais que não ouvir as orações dos rebeldes, eventualmente se faz adversário deles. Após ter sido partícipe das angústias do Seu povo, Senhor pelejou contra, dada a rebelião dele. “Em toda a angústia deles ele foi angustiado; o anjo da sua presença os salvou; pelo seu amor, e sua compaixão ele os remiu; os tomou e conduziu todos os dias da antiguidade. Mas, eles foram rebeldes, contristaram seu Espírito Santo; por isso se lhes tornou em inimigo;Ele mesmo pelejou contra eles.” Cap 63;9 e 10

Então, voltando à pergunta do Salmista, por que Deus fica longe em tempos de angústia? Por duas razões: uma; um propósito mais elevado cuja realização compensa as angústias; outra, nossa edificação; o crescimento espiritual que auferimos mediante a dor também a faz valer à pena.

O alvo superior pode ser tipificado pelo Calvário; extrema angústia do Salvador, a ponto de suar sangue, tinha como alvo derrotar o Príncipe do mundo, o pecado e a morte. Nesse momento angustioso Ele perguntou: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”

Contudo, malgrado a imensa dor que isso causou ao Senhor, Ele, vendo o resultado regozija; “Ele verá o fruto do trabalho da sua alma e ficará satisfeito; com seu conhecimento, meu servo, o justo, justificará muitos; porque as iniquidades deles levará sobre si.” Is 53;11 Assim, o sofrimento dos justos é sacerdócio para bênção de terceiros; o servo sofredor transformado em dádiva Divina em favor de outros alvos do Seu amor.

No prisma da edificação, a tristeza segundo Deus obra a purificação de nossas superficialidades, melindres vários que só no Vale das sombras da morte, abandonamos deveras. “Foi-me bom ter sido afligido, para que aprendesse os teus estatutos.” Sal 119;71

Depois de uma dura reprimenda por carta à igreja dos coríntios, Paulo sabendo do “estrago” que fizera, quase que retirou suas palavras; porém, comemorou pelo fato de ter ensejado o necessário concerto. “Porquanto, ainda que vos contristei com minha carta, não me arrependo, embora já me tivesse arrependido por ver que aquela carta vos contristou, ainda que por pouco tempo. Agora folgo, não porque fostes contristados, mas, porque fostes contristados para arrependimento; pois, fostes contristados segundo Deus; de maneira que por nós não padecestes dano nenhum. Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende; mas, a tristeza do mundo opera a morte.” II Cor 7;8 a 10

Ademais, nossas almas inquietas, incapazes de esperar o tempo de Deus, angustiam-se ao desejarem certos bens, sem o devido processo que os produz; nesse caso, invés de nos abatermos, aprendamos esperar. “Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois, ainda o louvarei...” Sal 43;5

Deus nos ama de modo inefável; por isso, mesmo quando está “muito longe” inda está cuidando de nós.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Materialismo "Cristão"

“Os vinte e quatro anciãos prostravam-se diante do que estava assentado sobre o trono e adoravam ao que vive para todo o sempre; lançavam as suas coroas diante do trono, dizendo: Digno és, Senhor, de receber glória, honra, e poder; porque tu criaste todas as coisas; por tua vontade são e foram criadas.” Apoc 4;10 e 11
Para a reflexão em curso, não é prioritário saber quem eram os vinte e quatro; antes, qual sua estatura, e como se portavam diante do Todo Poderoso. Se, usavam coroas tinham recebido dignidade real; entretanto, diante do Rei dos Reis abdicavam delas, se inclinavam reverentes.

Tal postura nos parece mui lógica; é esse mesmo o lugar das coisas. Entretanto, nós, reles pecadores sem coroa nenhuma, sequer, da justiça, nos portamos muitas vezes como se O Senhor estivesse a postos para nos servir, aguardando ordens que lhe daremos em nossas “orações”.

Ora, o cerne do Evangelho é renúncia das humanas tendências, mortificação da carne, sujeição de corpo e alma ao Senhorio de Cristo; o “negue-se”; enfim, a cruz. Todavia, analisando muito do se canta ou prega, invés de cristianismo bíblico, hígido, transformador, temos a doentia febre antropocêntrica envernizada, sem noção.

Antropocentrismo, para quem não sabe, quer dizer, o homem no centro, invés de Deus; Ele chama-se Teocentrismo.

Deparo seguidamente com eufônicas mensagens baseadas na passagem da viúva pobre abençoada mediante o ministério de Eliseu; ou, a saga de José, como estímulos para que acoroçoemos sonhos grandiosos, pois, Deus “está pronto para realizá-los”. Cáspita! Que gente sem noção!!

Estão sujos, cagados, e invés de se lavarem se supõem em trajes de gala, perfumados, prontos pro baile. Se, pelo menos alimentassem suas cobiças em particular para evitar danos a terceiros; mas, pretendem ser expoentes da vontade Divina, despertando com suas heresias imodestas, as cobiças de outras vítimas das mesmas paixões.

Suas mensagens, abortos espontâneos; nascem mortas. Se, alguém inda não é convertido carece desesperadamente salvação; nada pode ser mais importante ou urgente. Invés de mandar sonhar coisas grandes, que tal acionarmos o “despertador” paulino? “...Desperta, tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e Cristo te esclarecerá.” Ef 5;14

Porém, se alguém está abrigado em Cristo deve ser ensinado a mirar alvos que se coadunem com sua de fé. Paulo ensinou: “Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, não nas que são da terra; porque já estais mortos; vossa vida está escondida com Cristo em Deus.” Col 3;1 a 3

O mesmo Salvador, aliás, entre outras coisas disse: “Buscai primeiro o reino de Deus, e sua justiça; todas estas coisas vos serão acrescentadas. Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si. Basta a cada dia seu mal.”Mat 6;33 e 34

Ora, há sonhos que nos vêem que nada temos com eles, pois, estamos dormindo; desse calibre foram os proféticos, de José. Não desejou aquilo; sequer, entendeu; senão, nem teria corrido risco e contado aos invejosos irmãos. Foi iniciativa Soberana de Deus, tanto, dar os sonhos, quanto, seu cumprimento. Portanto, alimentar a fogueira da cobiça material com essa lenha, só perante incautos.

Por ser um convertido, e conviver com muitos deles, Paulo o apóstolo sabia bem o que esse milagre opera nas vidas em que se realiza; “... se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” II Cor 5;17

Desse modo, ouvir esses mensageiros presumindo e ensinado que, a ovelha come carne, soa lógico, como comprar gás para alimentar fogão à lenha. Não conhecem a Salvação; se, um dia conheceram, são, na linguagem bíblica, como cães que volveram ao próprio vômito.

Ora, Cristo se deu pelos pecadores para os regenerar; salvar o que se havia perdido, não, para alimentar cobiças de zumbis, mortos-vivos sem noção que profanam ao santo e nem percebem, tal, sua cegueira.

Vejo muitos pregadores nos púlpitos por aí que sonham com vida mansa, dinheiro fácil “em nome de Jesus” Claro! Vão trabalhar vagabundos, parem de mentir e explorar incautos!Quem sabe entrem pra política, filiem-se ao MST.

Por que olhamos para tão longe? Na era da Igreja temos ensinos claros sobre nossa relação com a matéria? “Os que querem ser ricos caem em tentação, laço, e em muitas concupiscências loucas, nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e tranpassaram a si mesmos com muitas dores. Mas, tu, ó homem de Deus, foge destas coisas...” I Tim 6;9 a 11

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Culto X Caráter

“De que me serve a multidão de vossos sacrifícios, diz o Senhor? Já estou farto dos holocaustos de carneiros, da gordura de animais cevados; não me agrado de sangue de bezerros, cordeiros, nem de bodes.” Is 1;11

Isaías introduz seu livro com dura diatribe ao culto hipócrita de então que estava enfadando ao Senhor. Se, o prisma fosse movimento e frequência ao templo, bem se poderia concluir que Israel vivia dias de “avivamento”; contudo, a encenação religiosa era só o pretendido disfarce da omissão em agir de modo aprazível ao Santo.

Um erro que muitos cometem é presumir que podem chegar a Deus passando de largo pelo semelhante necessitado, como o sacerdote e o levita da parábola do Bom Samaritano. “Atenta para os céus, vê; contempla as mais altas nuvens, que são mais altas que tu. Se, pecares, que efetuarás contra ele? Se, tuas transgressões se multiplicarem, que lhe farás? Se, fores justo, que lhe darás, ou que receberá ele da tua mão? Tua impiedade faria mal a outro como tu; e tua justiça aproveitaria ao filho do homem.” Jó 35;5 a 8

Não existe esse salto, pois. Nossas ações que agradam a Deus, ou não, incidem antes, sobre os semelhantes, como podemos ver no preceito dado: “Aprendei fazer o bem; procurai o que é justo; ajudai o oprimido; fazei justiça ao órfão; tratai da causa das viúvas.” V 17

Mas, obras não salvam! Certo. Porém, o contexto não era a salvação, mas, a conduta esperada pelo Senhor, dos que eram reputados, seu povo; então, estritamente Israel e agregados; hoje, qualquer pessoa dentre todas as nações que presuma ser serva do Altíssimo.

Não se entenda, contudo, que boas obras sejam uma espécie de licença para pecar; que O Eterno goste tanto delas, que, depois de as termos praticado tenhamos carta branca. Antes de preceituar solicitude com necessidades alheias, as nossas no que tange ao caráter foram postas como prioritárias; “Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos; cessai de fazer mal.” V 16 E, o mal não era de pequena relevância: “Por isso, quando estendeis vossas mãos, escondo de vós, meus olhos; ainda que multipliqueis vossas orações, não ouvirei; porque as vossas mãos estão cheias de sangue.” V 15

Assim, “limpos de coração” é a estatura requerida dos convertidos que um dia verão a Deus; boas obras são apenas um modo de caminhar seguindo Aquele que É O Caminho, Cristo. “Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.” Ef 2;10

Um ótimo modelo encontramos no centurião Cornélio; o relato diz que era “Piedoso, temente a Deus, com toda sua casa, o qual fazia muitas esmolas ao povo; de contínuo orava a Deus.” Atos 10;2

Era espiritual a ponto de depender da Soberania de Deus a quem sempre orava; contudo, não tencionava chegar a Ele ignorando o povo sofrido que o rodeava; antes, “fazia muitas esmolas ao povo...” Seu modo de ser e agir era de um salvo perfeito; embora, faltasse o Selo da Justiça Divina, que só “carimba” para salvação no Bendito e Imaculado Sangue de Jesus. Desse modo, O Espírito Santo chamou a Pedro e lhe ordenou que fosse apresentar a Graça Divina àquele de quem O Senhor se agradava.

Então, salta aos olhos o contraste no qual devemos beber algumas gotículas de instrução. O hipócrita religioso, mesmo que more no templo, tudo o que consegue é enfadar ao Eterno com seu mau caráter; a pretensão profana de trocar palavras vazias, pela aprovação Divina; Por outro lado, aquele que, à luz do conhecimento que possui, inda que parcial, se esforça com amor ao semelhante e temor, agrada a Ele de tal forma que toma iniciativa em buscar para si, formalmente, quem, de certo modo, já é Seu.

Assim, pregadores da moda, esses que instigam a dar grandes ofertas em troca de bênçãos falham em duas frentes. Primeira: Não podem pregar sobre caráter transformado, santidade, pois, não sabem o que é isso; segunda: não conseguem parar de demandar grandes ofertas como sendo anseio Divino, uma vez que adotaram ao dinheiro por deus; nada os faria infiéis.

Se chover nas hortas dos incautos que lhes ouvem, por certo, será oriundo de nuvens espúrias; ímpios estão separados do Senhor até que se arrependam, mudem. 

O que valeu para aqueles vale igualmente pra esses: “Eis que a mão do Senhor não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado seu ouvido, para não poder ouvir. Mas, vossas iniquidades fazem separação entre vós e vosso Deus; os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça.” Is 59;1 e 2

domingo, 18 de junho de 2017

Grandezas pequenas

“Todos os presidentes do reino, capitães, príncipes, conselheiros, governadores, concordaram em promulgar um edito real estabelecendo que, qualquer que, por espaço de trinta dias, fizer uma petição a qualquer deus, ou, qualquer homem, não a ti, ó rei, seja lançado na cova dos leões.” Dn 6;7

Os potenciais assassinos oblíquos de Daniel; digo; que pretendiam matá-lo sem sujar as mãos foram ao rei Dario com essa mimosa honraria que o fazia Deus Supremo, inda que, apenas por trinta dias. Incauto, ele assinou o famigerado edito. Isso lhe causou uma noite de profunda angústia quando viu que o leal Daniel fora lançado aos leões por causa daquilo.

Deixando a saga de Daniel quero meditar um pouco sobre o lugar das coisas. Spurgeon disse: “Uma coisa boa não é boa fora do seu lugar.” Foi justo, por almejar algo superior ao seu excelso lugar, que o “Querubim ungido” caiu de seu jardim de “Pedras afogueadas”, se tornou Satanás.

Do rei de Tiro temos: “teu coração se elevou e disseste: Eu sou Deus, sobre a cadeira de Deus me assento no meio dos mares; não passas de homem, ainda que estimas teu coração como se fosses Deus...” Ez 28;2

Dario era rei do Império Persa, algo grandioso; mas, infinitamente maior é a distinção entre essa grandeza e O Eterno; Senhor do Universo. Como ousou assinar um edito insano assim? Vaidade de vaidades, diria Salomão.

Aliás, ele disse mais: “A estultícia está posta em grandes alturas, mas, os ricos estão assentados em lugar baixo. Vi servos a cavalo, e príncipes andando sobre a terra como servos.” Ecl 10;6 e 7 Essa inversão “pra baixo” ( onde os grandes eram diminuídos, não, as nulidades exaltadas) que considerou um erro do Governador, embora pudesse trazer prejuízo na administração terrena, seria menos danosa que a outra que eleva aos lugares de comando gente que não vale nada. Nosso país é perito nisso.

Todavia, nas coisas espirituais a grandeza é mesmo para baixo. Como árvore carregada de frutos tende a abaixar seus pesados galhos, os maiores na dimensão do espírito são humildes; não ostentam nenhuma pretensão de grandeza, antes, esvaziam-se por Cristo para servir. Ele mesmo ensinou: “Os reis dos gentios dominam sobre eles, os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores. Mas, não sereis assim; antes o maior entre vós seja como o menor; quem governa como quem serve.” Luc 22;25 e 26

Disse que Seus servos tivessem a si mesmos em pequena estima, deixando a outrem a oportunidade de colocá-los no devido lugar. “Quando fores convidado vai, assenta-te no derradeiro lugar; para que, quando vier quem te convidou, diga: Amigo, sobe mais para cima. Então terás honra diante dos que estiverem contigo à mesa.” Luc 14;10 Honra não é algo que devamos buscar; mas, eventualmente, nos busca. Como diz uma frase do Talmude: “A grandeza foge de quem a persegue, e persegue a quem foge dela.”

Contudo, muitos líderes espirituais padecem duas febres que combinam mais com ímpios que com fiéis; desejo por renome e autoritarismo. O primeiro ensejou uma geração de “Apóstolos” do ar condicionado, “desbravadores” de nichos comerciais, invés de abnegados por amor.

O segundo tem forjado “pastores” dominadores que vetam ao rebanho que visitem outras congregações, legalistas, ignorantes do conselho de Pedro, no tocante a eles. “Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas, voluntariamente; nem torpe ganância, mas, de ânimo pronto.” I Ped 5;2

Se, cremos que “fará justiça o Juiz de toda Terra”, por que, agiríamos como o pródigo, nos apressaríamos ao deleite de posses que deveriam antes, ser conservadas, acrescidas, invés de, desperdiçadas? Aquele não almejou grandezas; se apequenou por prazeres. Esses têm prazer nas vaidades que acarinham, sem perceber, que, como Esaú trocam algo de valor inestimável por porção efêmera.

Um fruto, por delicioso que seja não se come verde. Igualmente, recompensas pela liça espiritual, invés de lugar têm um tempo oportuno; esse chegará após nossa peregrinação por aqui. Assim se cumpre: “O justo viverá da fé”; por crer que no devido tempo a “coroa da justiça” lhe será dada não se incomoda por ser reputado plebeu errante, nesse império de mentiras, injustiças e calúnias, malgrado, seja, Embaixador do Céu.

Sua fé permite sofrer, pois, “Vê” o que escapa aos olhos. “A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam; a prova das coisas que se não vêem. Pela fé ( Moisés ) deixou o Egito, não temendo a ira do rei; porque ficou firme, como vendo o invisível.” Heb 11;1 e 27

O sol da manhã no trópico Produz sombras enormes; mas, ao meio dia, o tamanho real dos corpos as esconde sobre eles.

sábado, 17 de junho de 2017

Anjos e animais

“Ouvi, ó céus, dá ouvidos, ó terra; porque fala O Senhor: Criei filhos, os engrandeci; mas, eles se rebelaram contra mim. O boi conhece seu possuidor, o jumento a manjedoura do seu dono; mas, Israel não tem conhecimento, meu povo não entende.” Is 1;2 e 3

A situação de Deus no prisma governamental; O Senhor; Sua Obra; “criei filhos”, Criador; Seu afeto; “os engrandeci”; abençoador. A humana resposta; rebelião; “se rebelaram contra mim”; a consequência da rebelião; ignorância; os animais entendem o que lhes concerne, mas, “meu povo não entende.”

A ideia de que possamos lograr distinguir valores sem O Criador foi sugestão do traíra; “Sabereis o bem e o mal”. Não que incrédulos sejam privados de neurônios, antes, muitos ateus têm intelectos brilhantes nas coisas seculares. Sua cegueira se manifesta quando o escopo é espiritual.

Visão aí não deriva de estudo, preparo mental, antes, de revelação; essa deve-se à Divina escolha, que, invés de premiar “talentosos”, o faz em função do caráter reto e submisso: “Temor do Senhor é o princípio do conhecimento...” Prov 1;7 e, “Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos. Escudo é para os que caminham na sinceridade”, 2;7

Jeremias o profeta, cansado de falar às paredes imaginou que os periféricos da sociedade de então eram loucos incapazes de entender as justas demandas do Eterno; aí, decidiu que falaria aos da elite, pois, pensou, entenderiam. “Deveras estes são pobres; loucos; pois, não sabem o caminho do Senhor, nem o juízo do seu Deus. Irei aos grandes, falarei com eles; porque eles sabem o caminho do Senhor, o juízo de Deus; mas, estes juntamente quebraram o jugo, romperam ataduras.” Jr 5;4 e 5

Assim, embora a sociedade tivesse distinções entre grandes e pequenos, no prisma espiritual estavam no mesmo nível; por baixo, em rebelião.

Mesmo que muitos tentem fundir febres políticas ao cristianismo, como se fosse um convite aos pobres, porta fechada aos ricos, O Evangelho não se apresenta assim. Ricos creram: Mateus, Zaqueu, Nicodemos, José de Arimatéia... foram perdoados, salvos; todos os pobres de então, que seguiram na rebelião, pereceram; pois, o aferidor da salvação é crer e obedecer, independe da condição social.

Quando, no Sermão do Monte O Salvador disse: “Bem aventurados os pobres de espírito” prometendo-lhes o Reino, basta ler com atenção para ver que tipo de “pobreza” era; espiritual. Qualquer que reconhece suas carências nessa área e submete-se a Quem pode o suprir, Deus; é um desses.

Paulo era uma sumidade cultural da época; sabia tudo das Escrituras existentes, falava hebraico, grego, latim; entretanto, não confiava em seu cabedal cultural para as coisas espirituais. “.. minha pregação, não consistiu em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas, demonstração de Espírito e poder.” I Cor 2;4

As coisas mundanas, pois, dissera sem valor para as eternas; “Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, aniquilarei a inteligência dos inteligentes. Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus, louca, a sabedoria deste mundo? Visto como na sabedoria de Deus o mundo não O conheceu pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação.” Cap 1;19 a 21

Assim, mesmo sabendo muito, reconhecia-se carente de luz, pedia orações à igreja para que soubesse o que falar. “Orando também juntamente por nós, para que Deus nos abra a porta da palavra, a fim de falarmos do mistério de Cristo, pelo qual estou também preso; para que manifeste, como convém falar.” Col 4;3 e 4

Se, o homem em rebelião como vimos, sabe menos sobre seu lugar, que os animais; em submissão, dependência do Espírito Santo é “engrandecido”; funcionalmente equiparado aos anjos, à medida que, é feito também mensageiro Divino. Assim foi Isaías; foram tantos profetas, e inda são os servos fiéis atuais.

Claro que há muitos “anjos caídos” por aí operando seus “prodígios da mentira” tentando desviar aos salvos. Todavia, o portento que demanda atenção dos Céus e da Terra, é o Falar do Senhor, não os artifícios do maligno. É A Palavra, não os profetizadores de Tsunamis que fazem cair fogo dos céus, como o David Ouwor e genéricos que nos conduz.

Nesse “apartheid” não há grandes nem pequenos; há submissos e rebeldes; salvos e perdidos. Uns, malgrado, a encenação, sabendo menos que animais; outros, com ou sem cultura, sendo os dóceis animais que Deus preza; ovelhas.

Embora, misturados, não miscigenados; O Senhor, no Seu tempo fará a devida distinção. “E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas.” Mat 25;32

Naquele dia a escolha será do Senhor; por ora, inda é nossa. De que lado ficaremos?

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Velozes e vaidosos

“O avestruz bate alegremente suas asas, porém, são benignas suas asas e penas? Deixa os seus ovos na terra, os aquenta no pó; se esquece de que algum pé os pode pisar, ou, que animais do campo os podem calcar. Endurece-se para com seus filhos, como se não fossem seus; debalde é seu trabalho, mas, está sem temor. Porque Deus privou de sabedoria, não lhe deu entendimento. A seu tempo se levanta; ri-se do cavalo e do que vai montado nele.” Jó 39;13 a 18

O Criador, após por em relevo animais que têm suas qualidades positivas, chama atenção de Jó para o avestruz. Malgrado sua imprudência que expõe seus filhos, está alegre, sem temor, pronto a um exibicionismo mostrando-se mais veloz que um cavalo. É. Segurança na ignorância, uma temeridade; mas, a própria cegueira se encarrega de ser “antídoto” ao mal que enseja.

Lembra certo dito: “O que os olhos não vêem o coração não sente.” Assim, não vendo as pessoas estariam protegidas; será?

O Salvador acusou Seus ouvintes de não quererem ver as coisas como são, para não carecerem renunciar más obras, disse: “A condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas.” Jo 3;19 e 20

Falando aos filósofos gregos Paulo acenou com perdão Divino ao seu pretérito escuro, mas, desafiou para que dali em diante mudassem as mentes, atitudes. “Sendo nós geração de Deus, não havemos de cuidar que a divindade seja semelhante ao ouro, à prata, à pedra esculpida por artifício e imaginação dos homens. Mas, Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, em todo o lugar, que se arrependam; porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; disso deu certeza a todos ressuscitando-o dentre os mortos.” Atos 17;29 a 31

A ignorância que se pode notar os levava a endeusarem imagens de escultura; para tal pretérito foi proposto, perdão; para o porvir, foi acenado o Juízo mediante Jesus Cristo.

Se, por um lado estão vetadas incursões no que está acima de nossa capacidade; (“As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, porém as reveladas pertencem a nós e nossos filhos para sempre, para que cumpramos todas palavras desta lei.” Deut 29;29) Por outro, somos exortados a buscar conhecer o que nos foi revelado, não como mera ginástica mental, prazer intelectual; antes, como questão de vida ou morte. “A vida eterna é esta: que conheçam a ti só, por único Deus verdadeiro; e Jesus Cristo, a quem enviaste.” Jo 17;3

A omissão nesse quesito foi fatal em tempos idos; “Meu povo foi destruído, porque lhe faltou conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também, me esquecerei de teus filhos.” Os 4;6 Uma vez mais, os “avestruzes” deixando em risco seus filhos.

O conhecimento demandado não é mera abstração sapiente;requer que moldemos nosso agir pelo que do Senhor ouvimos; só depois que tivermos exposto nossas almas na arena da experiência, então, de fato, conheceremos a essência da Doutrina que liberta. “Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.” Jo 8;31 e 32

O domínio tecnológico, salvas algumas exceções tem moldado seus “avestruzes”. Dá para compartilhar coisas profundas de modo célere como se tivéssemos asas; porém, nossa “plateia” não precisa conhecer nossos passos, necessariamente; podemos seguir superficiais, usando porções espirituais ou filosóficas apenas para verniz de nossas vaidades, como que, usando diamantes em fundas. Velozes e estúpidos.

Precisamos aprender com Jacó a andar “no passo do gado”; naquele caso havia velhos e crianças. No nosso, o risco das asas das palavras evitarem o áspero caminho das ações; só nele, a autenticidade de nossa fé se pode demonstrar. Com palavras nos “exercitamos” ante outros; com ações, perante Deus.

Como ovos devidamente encubados se tornam seres vivos, palavras absorvidas no coração ganham vida; têm capacidade de transformar. Podemos ser doutores de falas, e ignorantes de ações. Perto da luz, mas, no escuro; como asnos carregados de livros.

Pior que estar seguro no escuro é ter luz, mas, recusar, nela, andar. “Se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo pecado.” I Jo 1;7

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Obedecer é poder

“Retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina, quanto, para convencer contradizentes.” Tt 1;9

Paulo alista uma série de predicados comportamentais que se espera de um obreiro; depois, o preceito supra que tem um âmbito espiritual que vale a pena considerar. “Retendo firme a fiel palavra que é conforme a doutrina, para que seja poderoso...” Diverso de um dom, simplesmente, o poder espiritual é apresentado como consequência de comprometimento cabal com a Palavra, ortodoxia doutrinária e prática capacitando o ministro, tanto, à exortação, quanto, ao pleito eficaz com opositores.

Adiante denunciou uns, cujos atos se encarregavam de anular as palavras; “Confessam que conhecem Deus, mas, negam-no com obras, sendo abomináveis, desobedientes, reprovados para toda boa obra.” V 16

Já no Velho Testamento temos gente que perdeu a autoridade espiritual por causa da apostasia: “Efraim mui amargosamente provocou a sua ira; portanto deixará ficar sobre ele seu sangue, seu Senhor o recompensará pelo seu opróbrio. Quando Efraim falava, tremia-se; foi exaltado em Israel; mas, se fez culpado em Baal, e morreu.” Os 12;14 e 13;1

Quando Efraim falava como mensageiro de Deus ensejava temor; mas, vertido em idólatra tornou-se “cadáver” espiritual.

Algo que, embora saibamos, nem sempre consideramos com devida seriedade; Quem tem poder É Deus; opera mediante Seu Espírito e Sua Palavra. Se, alguém exibe sinais milagrosos, malgrado, sua vida e ensinos destoem da Santa Palavra, trata-se de “prodígios da mentira” não, poder de Deus. Assim, sinais sobrenaturais não são aferidores de medida, espirituais.

Entretanto, muitos ministérios de mercenários adubam lavouras da cobiça natural com o “fertilizante” dos testemunhos dos que foram “abençoados” pelo ministério tal. Ora, testemunho espiritual não é algo que se conte; antes, que se é. “Recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e me sereis testemunhas, tanto em Jerusalém quanto, em toda a Judéia, Samaria, até aos confins da terra.” Atos 1;8

Enquanto uma testemunha nos tribunais humanos geralmente diz o que sabe, ou, viu, a espiritual é paciente de uma transformação tal, que outros vêem, o milagre que nela O Senhor operou: “Tirou-me dum lago horrível, dum charco de lodo, pôs meus pés sobre uma rocha, firmou meus passos. Pôs um novo cântico na minha boca, um hino ao nosso Deus; muitos verão, temerão, e confiarão no Senhor.” Sal 40;2 e 3

Enfim, a testemunha espiritual autêntica, invés de um modo de falar que postula algo, é um modo de agir que ilumina. “Assim resplandeça vossa luz diante dos homens, para que vejam vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai, que está nos céus.” Mat 5;16

Claro que tais feitos são demasiado altos para nossa natureza caída, por isso, a indispensável capacitação do Espírito Santo, Sua Virtude ao dispor dos que querem agradar a Deus.

Se, como vimos, um ministro “poderoso” é o que retém firme a Palavra, um salvo, recebe a Palavra Viva, Jesus Cristo, e junto com Ele, a adoção de filho espiritual capacitado a agir de modo agradável ao Criador. “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas, de Deus.” Jo 1;12 e 13

Por fim, uma consideração mais. Paulo usa a expressão reter a palavra; o que traz a ideia de ter novamente, como se, por um momento tivéssemos perdido, esquecido, ignorado. Acontece que, tanto nossa natureza, que não se converte, deve ser mortificada, quanto, apelos do mundo que “Jaz no maligno”, fazem tudo para dela nos alienar, separar, quando não, indispor.

Na parábola do semeador a primeira figura é da semente que caiu à margem do caminho; as aves comeram; Tipo dos corações refratários nos quais, a Palavra não obtém o efeito esperado. Mas, mesmo as que caem em boa terra, correm risco do concurso das ervas daninhas do desânimo, das tentações, e só um hipócrita omitirá que já fracassou alguma, ou, muitas vezes nesses quesitos.

Daí, ao estímulo de uma memória evocada pelo Espírito, de um verso bíblico, uma mensagem, enfim, recobramos as forças, a confiança, e temos novamente a Palavra de Deus pelo que É. Verdadeira e Fiel.

É óbvio que não posso receitar um remédio espiritual a outrem como eficaz, sem antes, ter verificado sua eficácia sobre meus males. “estando prontos para vingar toda a desobediência, quando for cumprida a vossa obediência.” II Cor 10;6

Em suma, poder não é algo que se busque; antes, consequência de termos, pelo Espírito, buscado viver de um modo que alegre ao Senhor. “A alegria do Senhor é nossa força”.